CIRURGIA PERCUTÂNEA OU CIRURGIA MINIMAMENTE INVASIVA DO PÉ - MIS

A Cirurgia Percutânea do Pé, também conhecida como Cirurgia Minimamente Invasiva do Pé (minimally invasive surgery — MIS), reconhecida internacionalmente, é realizada através de instrumental especial desenvolvido nos EUA e Europa especificamente para essa aplicação: fresas, lâminas, raspas, peça de mão e motor com controle de rotação. A cirurgia vem sendo realizada na Europa e nos Estados Unidos desde o final da década de 1990 e é feita por meio de mini-incisões de 3 a 5 mm, possibilitando a correção das deformidades com menor agressão às partes moles, mantendo íntegro o estojo anatômico da região operada. Guiada por fluoroscopia ou radioscopia intra operatória estática e dinâmica, a técnica permite a realização de osteotomias (corte no osso), exostectomias (raspagem no osso), tenotomias (corte no tendão), capsulotomias (abertura de cápsula articular), encurtamento ósseo, como em dedos alongados, etc; Além de apresentar menor risco de infecções, menor trauma e quase sem dor no pós-operatório.

O custo é menor que a cirurgia tradicional (aberta) e na grande maioria dos casos não são usados parafusos, placas de fixação óssea e nem gesso. A anestesia aplicada é local (pentabloqueio) associada à pequena sedação que possibilita alta hospitalar no mesmo dia.

Realizada no Brasil há aproximadamente dez anos, a cirurgia percutânea, vem apresentando resultados excelentes, com taxa de sucesso em torno de 90% a 95%.

Indicada nos casos de deformidades dos dedos menores, joanete (hálux valgo), pé plano (chato), pé cavo, dedos em garra, dedos alongados(encurtamento), metatarsalgias, hálux rígido, calosidades plantares ou dos dedos, pé reumatoide, pé diabético, entre outras, a técnica permite intervenções em partes moles e ósseas do pé com mínimo trauma e a possibilidade de voltar andando para casa.

Responsáveis pelo apoio da carga corporal e pelo equilíbrio do corpo, OS PÉS acabam sendo vítimas das principais patologias ortopédicas, tais como:

  • Joanete (hálux valgo) — Desvio lateral do dedão do pé que causa dor e inflamação, dificultando o uso de calçados.
  • Dedos em garra — Deformidade em flexão dos dedos menores com desvios e calosidades.
  • Metatarsalgias — Dor plantar no antepé com calosidades plantares (hiperqueratose).
  • Pé plano (pé chato) — Ausência do arco plantar do pé da criança ou do adulto.
  • Pé cavo — Aumento excessivo do arco plantar da criança ou do adulto.
  • Tendinopatias — Inflamação dos tendões.
  • Pé reumático — Deformidades do pé devido a doenças reumatológicas, como a artrite reumatoide.
  • Fasciíte plantar ( esporão do calcâneo) --- Inflamação da fáscia plantar na sua origem no calcâneo, com ou sem esporão (calcificação).
  • Síndrome de Haglund --- Dor na região posterior do calcâneo com inflamação e aumento de volume local.
  • Artrose --- Desgaste da cartilagem de uma ou mais articulações.
  • Hálux Rígido --- Artrose da articulação meta-falangeana do dedo maior que causa rigidez, e pode ser confundida com joanete.
  • Neuroma de Morton --- Tumor benigno do nervo interdigital que causa dor, desconforto e adormecimento dos dedos do pé
  • Placa Plantar (Lesão) --- Membrana de tecido conjuntivo que une a cabeça do metatarso até as falange proximal dos dedos. A lesão dessa placa causa dor e deformidade nos dedos.
  • Pé diabético — Pé com menor sensibilidade e circulação diminuída devido ao diabetes. A doença pode causar feridas, ulcerações, dor ou deformidade progressiva do pé. O paciente com problemas desse tipo deve ser submetido a um tratamento multidisciplinar, em que será assistido por especialistas de diversas áreas, como neurologia, endocrinologia, angiologia, dermatologia, entre outros.